terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

O poeta é um fingidor

Encontrei alhures um dia desses Emerson Araújo, poeta e outras coisas mais...Meu professor de Literatura há dez anos atrás e entreguei a ele um exemplar de meu livro:



Casimira Quietinha: um romance sertanejo com lorota, briga e beijo

Ele se disse grato e afirmou que publicaria em seu blog, http://www.emersonaraujo46.blogspot.com/ ferramenta que segundo o mesmo utiliza para dizer-se no mundo, será um prazer ver o comentário deste meu texto por alguém desta envergadura, mas não vou me delongar muito, deixemos para depois do post.
Por enquanto fiquemos com uma poesia de Fernando Pessoa que traz um verso que Emerson Araújo vez por outra cita: “O poeta é um fingidor”


Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
***
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
***
E assim nas calhas de roda Gira,
a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração

Quem sou eu

Minha foto
Formado em história, mestrando em educação. Educador social (trabalho com prevenção às droga) Tenho como hobby, a dramaturgia, escrevi algumas peças teatrais e tenho um livro publicado nesta área.